Notícias

Povos de terreiro e órgãos públicos delimitam encaminhamentos e ações no Ipadê

São Luís – O terceiro e último dia do “Ipadê Agenda Interinstitucional – Construindo estratégias de enfrentamento ao racismo religioso no Maranhão” ocorreu na sexta-feira (25). No período da manhã, debates sobre comunicação. De tarde, encaminhamentos institucionais para o enfrentamento ao racismo religioso no Maranhão, com a participação de órgãos públicos e povos de terreiros, mediado pela Defensoria Pública da União (DPU). 

O debate sobre ‘Identidade, comunicação e memórias coletivas’ ocorreu das 9h às 13h, com a formação de duas mesas de debates e a participação de Gerson Lindoso, do grupo de estudos afro brasileiros e culturais (GEABRAC-IFMA); Jô Brandão, coordenadora geral do Coletivo Dan Eji; Iguatemi Carvalho, membro do Coletivo Dan Eji e representante da Rede de Educadores em Museus (REM-MA); Mario Chagas, diretor geral do Museu da República (RJ); Nayra Albuquerque, produtora e realizadora audiovisual (MA); Raimundo Quilombola, coordenador da TV Quilombo (Quilombo Rampa – MA); Margareth Argemira, apresentadora do Programa IQNISO (Tv Erga Omnes).

Após às 15h, o defensor regional de Direitos Humanos do Maranhão (DRDH/MA) e vice-presidente do Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), Yuri Costa, foi o mediador do debate sobre ‘Encaminhamentos institucionais e pactuação de estratégias e iniciativas de enfrentamento ao racismo religioso no Maranhão’.

Para Yuri Costa, o coletivo e as instituições que apoiaram o Ipadê puderam consolidar algumas diretrizes mais amplas no fechamento de evento. “Nas deliberações, acho que temos que destacar a constituição de uma frente interinstitucional que vai dialogar com a sociedade civil através das representações de povos de terreiro e que vai cobrar das instituições do poder público, responsáveis pelas diferentes políticas públicas, que adotem as providências necessárias. Houve outras deliberações, mas acredito que essa frente consolida a proposta do evento, de manter o diálogo entre as instituições e de avançar como uma agenda comum e permanente para atuação na área.”

O Ipadê ocorreu no auditório da sede da Defensoria Pública do Estado (DPE/MA), no bairro Renascença, e foi realizado pelo Coletivo Dan Eji em parceria com a DPU, Defensoria Pública do Estado do Maranhão, Comitê de Diversidade pela Garantia de Direitos Humanos e Ministério Público do Trabalho (MPT). A iniciativa também contou com o apoio da Coordenadoria Ecumênica de Serviço CESE, do Fundo Elas e do Conselho Nacional de Direitos Humanos. O evento foi transmitido ao vivo pelo canal da DPU no Youtube.

Leia mais:

Ipadê debate mecanismos de proteção aos direitos dos povos de terreiro

Escuta de casos de racismo religioso e iniciativas institucionais marcam tarde do Ipadê

Combate ao racismo religioso é tema de encontro em São Luís (MA)

Evento propõe construção de estratégias para combate ao racismo religioso no Maranhão

Assessoria de Comunicação Social
Defensoria Pública da União